Só de subir em sua moto você já sabe: é como se um mundo de oportunidades se abrisse convidando para uma nova aventura. Viajar de moto é libertador, mas exige planejamento. Especialmente quando o destino está a alguns milhares de quilômetros, como o Atacama.

Considerado o deserto mais árido do mundo e desafiador pela variação brusca de temperatura entre o dia e a noite, está na lista de desejos de quem sonha em fazer uma viagem inesquecível a bordo de sua moto.

Acompanhe nossas dicas para a sua viagem de moto ao Atacama.

Vulcões, gêiseres e cidade fantasma

Localizado no Chile, quase na divisa com o Peru, é um dos destinos preferidos para quem curte um vento na cara. A paisagem do Atacama é bastante peculiar e as atrações bem diversificadas.

A começar pelos vulcões, como o Licancabur, que empresta seus quase seis mil metros de altitude para compor a paisagem de San Pedro do Atacama. Os gêiseres de Tatio são espetáculos à parte. Vale a pena madrugar para ver soltarem seus vapores e jatos d’água. Para completar esse roteiro cinematográfico, vale a visita à cidade fantasma de Humberstone, eleita Patrimônio Mundial pela Unesco e inabitada desde cessadas as atividades de fabricação de nitrato.

Outro ponto turístico que merece ser contemplado no seu roteiro é a Laguna Cejar, que promete um belo refresco em dias quentes e, por ser cheia de sal, uma experiência diferente para o banhista. A Salar de Atacama é uma lagoa de sal que atrai lindos flamingos, rodeada por uma paisagem sensacional.

Vale a pena fazer o tradicional passeio ao Valle de la Luna e ao Valle de la Muerte, lindos mirantes para um belo por do sol.

Quando, como e por que encarar essa aventura

Para não ter imprevistos durante sua viagem de moto ao Atacama, escolha a época do ano na qual você mais se adaptaria se a viagem fosse por aqui. As estações são rigorosas, e, no verão, aparecem as chuvas. Os meses de setembro e outubro são ideais, pois a mudança climática não é tão acentuada.

Procure pontos de apoio, inclusive para se hospedar. A primeira parada de fato, aquela para descansar a coluna depois de pilotar pelos mais de dois mil quilômetros até lá (saindo de são Paulo) é San Pedro. Assim como em outros refúgios turísticos, a variação de preços dos serviços e bens de consumo aumenta durante a alta temporada.

O que levar nos alforjes

Além de muitas camisetas, jaqueta, luvas e itens indispensáveis que todo motociclista deve ter, fique ligado na documentação necessária para cruzar a fronteira entre Brasil e Chile. Você vai precisar de passaporte ou RG e todos os seguros exigidos pelo país e que o protejam de qualquer adversidade – atenção para o Seguro Carta Verde e SOAPEX.

Vale a pena levar alguns gadgets na bagagem: fita e adesivo instantâneo, ferramentas, spray de cola para pneu – no caso de furar pelo caminho. Programe as revisões de sua moto com antecedência. Planeje também as paradas para abastecer sua moto. Pode ser que a gasolina acabe e você não encontre nenhum posto de combustível adiante.

Mapa ou GPS também são importantes. Dinheiro trocado – real e peso chileno. No mais, muita disposição para você encarar o asfalto com segurança.

Registre e compartilhe sua aventura

É possível que seus amigos e familiares embarquem com você, de perto ou de longe. Por isso, faça seu diário de bordo e compartilhe com eles. O incentivo da turma é essencial para que você curta cada momento com tranquilidade.

Apesar de ser um dos destinos mais desejados pelos motociclistas, uma viagem de moto ao Atacama ainda é algo que faz cair o queixo de muita gente. Encare esse desafio porque a experiência é inigualável!

Planeje-se, empreenda sua viagem e compartilhe este post. Talvez você encontre por aí alguém para acompanhá-lo nessa empreitada!

E se tiver alguma dica, por favor, não se esqueça de compartilhar com a gente!

Gostaria de conhecer produtos exclusivos, que traduzem o amor pela liberdade e motos? Clique aqui!
Bandana ©Todos os direitos reservados.

0